O jornal da diversão

Assuntos picantes para botar o papo em dia


Encontros online: se faz, mas não se fala

Admitir de ter conhecido seu parceiro ou que já teve um caso passageiro com um estranho que você conheceu em um site de encontros online, ainda é um tabu social difícil a morrer. No entanto, as estatísticas falam por si e um brasileiro cada quatro os frequenta, com centenas de histórias que começam e terminam a cada dia. E talvez ele vai se surpreender ao saber que são homens e mulheres com idade entre quarenta e cinquenta a demográfica com o maior crescimento exponencial nos sites de namoro. Numerosos estudos e tantos livros que lidam com este fenómeno crescente de alarmismo e entusiasmo, tentamos entender e resumir os pontos fortes e fracos.

Um casal fazendo sexo

Dan Slater, autor de " O amor em tempos de algoritmos: como a tecnologia muda a forma como as pessoas se encontram e namoram", argumenta que, se conhecer novas pessoas de repente se tornou tão fácil, as pessoas hoje em dia não se esforçam mais para manter um relacionamento duradouro quando aparecem os primeiros sinais de crise: um novo parceiro é a um clique de distância e isso leva a relações instáveis e sem compromisso sério.

Outros especialistas dão advertências não menos preocupante: para Susan Dyer, psicóloga e autora do livro "O I-Factor" ("O fator I" como "intimidade"), o namoro on-line está tornando os usuários mais e mais "socialmente ineptos" porque desaprendem os antigos ritos de namoro e, assim, perdem a capacidade de empatia com a outra pessoa, exceto na ficção do mundo virtual.

Encontros online

De acordo com a psicoterapeuta italiana Danila Lorenzini, especializada em problemas de comunicação do casal e autora do livro "Como encontrar uma alma gêmea em um clique", para quem não é solteiro pode parecer absurdo que uma pessoa educada, de boa aparência, com uma boa cultura e uma profissão estável e gratificante decide confiar em um site de namoro, mas chegado a uma certa idade, as oportunidades para socializar com alguém com quem tem afinidade e as chances de conhecer alguém por acaso, são realmente muito baixas.

E acrescenta Susan Etlinger, analista do Altimeter Group, afirmando que os algoritmos que sustentam esses serviços, por quanto sejam sofisticados em cruzar as informações e botar em contato os espíritos mais afins, pela sua própria natureza tem uma margem de erro, e talvez por causa da sua rigidez, pode dificultar os encontros que, em vez valeriam a pena de ser vividos.

Então, como você deve fazer? De acordo com Peter Ludlow, um professor de filosofia na Universidade de Northwestern, não devemos esquecer que esta busca frenética por um algoritmo compatível para selecionar um parceiro é uma prática terrível. Supõe-se que esses sites saibam exatamente o que você está procurando e, em vez muitas vezes você o descobre apenas "embatendo-se" por acaso, enquanto está procurando outra coisa. O resultado inesperado é muitas vezes maravilhoso.

About
Um espaço virtual para bater um papo livre e descontraido sobre sexo, erotismo e sexualidade